domingo, 30 de setembro de 2018

Fim de semana

Foi um bom fim de semana, com o Miguel em casa. Um fim de semana de coração cheio! A próxima visita será em Novembro, no Thanksgiving, em que estaremos de casa cheia.


 Uma espécie de High School Reunion!

Entretanto, a Matilde teve a festa do Homecoming na escola, e lá foi com as amigas, todas produzidas, como elas gostam!


 

sábado, 8 de setembro de 2018

Um ilustre visitante

Quem me conhece sabe que o Cafe Paradiso é o meu café preferido em Urbana-Champaign. Desde o primeiro dia. Passei lá muitas horas antes de começar a trabalhar. Foi lá que escrevi muitos dos posts iniciais deste blog. Hoje vou lá muito menos porque isto de trabahar full time tem as suas desvantagens!

O Rui, sempre que está por cá, para lá quase todos os dias antes de ir para o seu gabinete, já que na sua deslocação diária, de bicicleta, de casa para o trabalho, o Paradiso fica estrategicamente a meio do seu caminho. E por lá fica, às vezes umas boas 2 horas, que isto de ser académico concede muitas liberdades! Acresce que é um sítio onde apetece mesmo trabalhar! O mesmo se passa com vários dos nossos amigos académico.



Mas ontem, por diversas razões, entre elas a  chuva que caiu copiosamente durante quase todo o dia (e, no caso do Rui, o facto de estar em viagem), nenhum deles lá estava para dar as boas vindas ao mais ilustre de todos os visitante. Oh, se pudessem voltar atrás ...




Obama veio à University of Illinois receber um prémio e como não podia deixar de ser, deixou a sua marca. E não falo da sua histórica paragem no Paradiso, ainda que esta, tenho a certeza, não será por muitos esquecida nos próximos tempos, mas pelo seu discurso, que como sempre nos inspira e faz acreditar que talvez nem tudo esteja perdido. E como eu concordo com ele!

This is one of those pivotal moments when every one of us, as citizens of the United States, need to determine just who it is that we are. Just what it is that we stand for. And as a fellow citizen, not as an ex-president, I delivered a simple message to students at the University of Illinois today. You need to vote, because our democracy depends on it.

The biggest threat to our democracy doesn't come from any one person. The biggest threat to our democracy is indifference. The biggest threat to our democracy is cynicism – a cynicism that’s led too many people to turn away from politics, and to stay home on Election Day.


Don't stay home! Go out and vote! November is just around the corner.




quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Viagens que ficam para a vida

Há exactamente 30 anos atrás, no Verão de 1988, fiz com o Rui aquela que ainda é hoje uma das minhas viagens mais memoráveis - o interrail. Partimos ao fim do dia da Estação Velha de Coimbra, e fomos no Sud-Express até Paris. Depois fomos a Amesterdão, Copenhaga, Berlim, e outra vez Paris, no regresso a Portugal.

Neste Verão de 2018 foi a vez do Miguel fazer o seu interrail, com 2 amigos de Lisboa. Numa versão mais moderna, é certo, mas espero que igualmente memorável (e pelos seus relatos não duvido que o tenha sido). No caso deles em vez de apanharem o Sud-Express e perder horas a fio a atravesar Espanha, foram de avião até Amesterdão. Benditas low cost! E daí seguiram para Berlim, Praga, Cracóvia, Budapeste, Croácia (Split e ilha de Hvar) e por fim Itália - Roma, Florença, Veneza e Milão. No fim, estavam cansados e felizes!

Em 1988 não havia telemóveis, nem redes sociais. Telefonava uma vez por semana para os meus pais de uma cabine telefónica, e entre estes contactos eles não faziam a menor ideia de onde estava e o que estava a fazer. O Miguel e os amigos criaram uma conta no WhatsUp à qual adicionaram os pais, e lá fomos tendo notícias, mais ou menos assíduas, o que reduziu muito a minha ansiedade maternal. Mas o melhor mesmo foram os relatos que o Miguel foi escrevendo no Facebook sobre os sítios por onde passaram. Trinta dias memoráveis que, com sorte, lhe vão valer anos e anos de boas recordações.

Para quem não o segue no Facebook, ou por lá não passa com regularidade suficiente para ir acompanhando o seu diário de viagem, aqui ficam os seus textos. Desta vez sem fotografias, para não distrair do mais importate. As palavras. Se calhar não vão ter paciência para os ler todos, mas eu quero aqui guardá-los para memória futura.


AMESTERDÃO

Ok so I meant to start this yesterday but I thought about a clever caption so I delayed it to today. I’ll do a little photoalbum and description for each of our days! Or while I have patience for this...

Anyways, first day: got to the Amsterdam airport, paid 5 (!) euros for a train ticket to the city (we soon realized we have it good in Portugal in terms of prices), ate a damn good burger as our first meal, then walked a bit around the city. We were surprised at the sheer amount of bikes in the city. I mean Minneapolis is the most bike-friendly city in the US, they say, but it doesn’t get even close to here!! Anyways, we then visited one of the famed Amsterdam coffeeshops, and then went home to the hostel. Went back out at night to see the famous Red Light District, which was a fun but bizarre experience. Didn’t go home too late, we were exhausted! But overall awesome first day.


Second day: we got a taste of the Amsterdam life as we rented some bikes and went around the city in them. It was hectic!! I almost fell twice, Afonso made this lady fall, but it was a blast. It’s such a fantastic way of seeing around the city, and makes everything much quicker. We had a great lunch outside a grocery store, featuring bread and turkey, and met some Portuguese people! It was nice seeing fellow comrades. We went around the area with tons of museums, then headed over to the Windmill, which meant Dutch crafted beer! It was pricey, as everything here is, but definitely worth it. Great second day, it’s such a different culture and we’ve met some awesome people so far.

A little late (whoops) but day 3: today was much more relaxing, which meant less pictures. We took a free walking tour of Amsterdam, where we had an amazing tour guide and made me even sadder for being unable to go to certain museums and places, like Anne Frank’s house. We got to try some old Dutch cheese though, which even though I abhor cheese made for a cool pic! Afterwards we came back and packed, and on our way out met a couple of awesome French dudes living in Brasil. They spoke some awesome Portuguese and we were sad that we only got to talk to them for half an hour before leaving.
 

I’m writing this from the Berlin main train station, while waiting for the subway to take us to the center of the city. Our first train ride(s) was an experience. We took a train to Eindhoven, then a bus to Düsseldorf, and finally an overnight ride to Berlin. It was rough getting here at 5:40 AM, as we have a tour we want to go to in less than 5 hours... but onwards we go!


BERLIM

Day 5: today (yesterday) I fell in love with two things: Berlin and free walking tours. All at the same time! After arriving in Berlin at 5:45 AM and resting for a little bit at the hostel, we went and walked around for a bit before our tour started at 11. I knew I was going to like it at once. The buildings in downtown were old and full of history (if you know me, you know I’m kind of a history geek), and the city has the kind of feel that it’s been through a lot and it’s aware of that.
That feeling was confirmed in our free walking tour. Aided by an amazing guide, she took us through an unforgettable walk through Berlin and its history, especially how it was shaped through the daunting 20th century. We walked through the Memorial for the Murdered Jews of Europe during it, and the tour guide recommended the museum under it so we went there afterwards. So powerful. To hear the stories of but a few of the victims and the families, it filled me with something that is hard to identify. Not sadness, not anger, but a weird mixture of hope and hopelessness. Sounds strange, but I think you’ll only understand if you ever visit it. SO DO IT.
We went to the hostel afterwards, chilled, had dinner, and got ready to go out. We joined a pub crawl through the bars of Berlin, and boy was it fun! The night in Berlin is awesome, but it also ends earlier than Lisbon’s, which I was honestly thankful for. Some much needed sleep. Sorry for the huge post today, Berlin has a part of my heart now. Can’t wait to see what it holds for us today!

Days 6/7: these days seeing around Berlin reinforced my love for the city. What a place! It’s a beautiful city, influenced by the several different conflicts and tragedies it’s been through. In a way, it’s like Lisbon, in that centuries of history shaped it into something unique. We went to the Turkish Market, ate a classic German burger, visited a section of the wall, the old Third Reich SS building, the Topography of Terror, the Memorial for the Fallen Soviet Soldiers, and more. They were a great couple of days!
I took less pictures than usual because I was so enthralled in the city, but I’ll try to get back on track in Prague, which is where we’re currently headed. Updates to come, so stay tuned



PRAGA, CRACÓVIA, BUDAPESTE E CROÁCIA

For those of you who know me well, you know that I get sick easily... too easily. And of course I had to get sick in one of the best months in my life! So anyways that’s why my updates took a hit. And what a hit! We’ve been through Prague, Krakow, Budapest, and now Croatia. A lot of pictures and adventures went undocumented, so here’s my weak attempt to make up for it.

Prague: so different from the previous cities that we’ve been in! While Amsterdam seemed like a very modern city, and Berlin felt like a city that, while aware of its past, looked forward to the future, Prague felt like a gateway back hundreds of years. An old city, with lots of history, beautiful buildings, churches, and bridges, and very diverse. We very much enjoyed our time here, and a particular nod must be given to the city’s castle. Wow. Up on the hill, made up of several palaces, churches, and fortifications, and a long wall that goes around all of the former. A must-see if you ever go to Prague!

Krakow: Unfortunately, I became sick when we got here on the first day, so I didn’t enjoy Krakow as much as I could and wished. Yet the taste that I got did not disappoint, and it left me wanting more, much more. I’ll be back! The place that left the deepest mark in me though was not in actual Krakow. It was an hour west of it actually, in the infamous Auschwitz-Birkenau concentration camp. The feelings that the day-long visit there evoked in me are indescribable, so I won’t even try to. I’ll just say one thing: visit it, see it yourself, learn the stories of those who spent the harshest years there, and never forget what you learned there. I know I won’t.

Budapest: again, I didn’t enjoy it as much as I wanted to, my being sick really put a dampener on it, but what I did see impressed me a whole lot. Budapest is amazing! Cheap, beautiful, the people were nice (definitely our best stay at a hostel, we made a whole lot of friends!), and the buildings magnificent. I really really really really want to go back, leaving was not a goodbye, it was a see you later!

Croatia: I’m currently writing this in a hostel in the Croatian island of Hvar, a paradise on the Adriatic Sea. Very expensive, a little too bourgeois for my taste, but it is a nice rest from all the traveling we’ve done so far. The beaches here are oh so pretty, the water oh so clear, and the weather oh so hot. My patriotic self will still obviously say Portuguese beaches are MUCH better, but the beaches here are a nice change (still, if you wanna go to the beach in Europe, look no further than Algarve. You’re not getting better than that!)
Alright, that’s it for now, sorry for the really long post. I’m better now, so hopefully I’ll be more timely with my posts again. See ya next time!


ROMA

I was warned about Rome, but I always brushed these away as one of my mom’s exaggerations or my friends’ hype-building. Boy, I should not have done that.
Rome isn’t always the prettiest city, nor is it the cleanest or easiest to walk around. It is, however, the grandest, most imposing, and most majestic city that I have ever been in. And probably will be. You can be walking around the streets and suddenly run into 2000-year old columns that are surviving the test of time and still standing. There are more churches and monasteries that I can count, and all of them are huge and rich inside. I guess it makes sense since the Catholic Church was pretty damn rich back in the day, but holy smokes.
We took a one-day trip to the Vatican, and that was probably what I most enjoyed out of anything in our trip since Berlin. Having bought a ticket for only 8€, we got in the dozens of museums that they have, varying from Egyptian artifacts to renaissance paintings to an incredibly long hallway full of huge paintings of maps of the various regions of Italy directly painted on the wall (this one impressed me a lot, as you probably guessed). And of course, the Sistine Chapel, and, last but definitely not least, St. Peter’s Cathedral. This church was HUGE. Think literally Mines of Moria in Lord of the Rings huge. Monumental pillars, incredibly detailed statues and paintings all over, a ridiculous number of domes, and an Iron Throne-looking seat at the end of the Church, worthy of gods. Color me impressed!
So yes, if you’re ever in Europe, Rome HAS to be in your travel plans. I’ve said this a fair amount of times on my posts, but trust me when I say this city is quite unlike any other, and definitely one of my favorites on our trip so far. Onward to Florence for us now, stay tuned.


Infelizmente, este foi o último relato. Ainda foram a Florença, Veneza e Milão, onde apanharam o avião de regresso a Lisboa. Gostava que tivesse feito um texto sobre a experiência em geral, mas não aconteceu. A vida aconteceu e agora já está de volta a Minneapolis, onde se prepara para mais um ano lectivo. 

sábado, 12 de maio de 2018

Low expectations

Sempre que algo não corre bem e tenho que tentar resolver o assunto ligando para um daqueles números de atendimento geral em que somos atendidos por uma mensagem gravada, que nos dá meia dúzia de cenários diferentes e temos que ir seguindo instruções, carregando em teclas em busca da resposta que procuramos, acho sempre que a coisa vai correr mal, que vou perder imenso tempo e que no fim vou continuar com o problema por resolver. Para além de que fico sempre com um nervoso miudinho, a achar que não vou saber que número escolher porque aquelas cenas são feitas só para pessoas extremamente inteligentes e decididas ...

As expectativas são sempre tão baixas, que às vezes sou agradavelmente surpreendida. Muito recentemente aconteceu ter que, no mesmo dia, ligar para resolver 2 problemas relacionados com viagens de avião. Adiei o assunto o mais que pude, mas o Rui andava em cima de mim a chatear e lá resolvi ligar.

O primeiro telefonema foi para a American Airlines. Tinha recebido um e-mail a informar que tinha 13.000 milhas a expirar em Setembro e como queria ir a Minneapolis visitar o Miguel achei que era uma excelente oportunidade para as usar. Lá tentei fazer a reserva on line no site da American Airlines, mas quando chegou a altura de escrever o meu nome, não consegui, porque o espaço disponível para o apelido não aguenta 4 nomes! E como estava a tentar fazer a reserva usando as milhas, tinha que escrever  o meu nome como está no meu cartão da AA ( nome completo, no mesmo formato que tenho no passaporte - 2 nomes próprios e 4 apelidos - um exagero, eu sei). Ainda consegui contornar o problema e tentei fazer a reserva com o nome como o tenho na carta de condução americana (que é o documento que se usa para viajar internamente), mas quando tentei pagar uma pequena quantia não coberta pelas milhas, não consegui porque o nome que tenho na carta de condução, também não condiz com o nome que tenho no cartão de crédito. Um nome composto por 6 nomes permite várias combinações e eu, claramente, não me fiz rogada! Lá telefonei para a American Airlines, escolhi a última opção - falar com uma pessoa - e eis que sou atendida, quase de imediato, por uma moça super simpática, que em 3 tempos resolveu o problema. Fez a reserva, eu paguei e nem 5 minutos depois recebo um e-mail com toda a informação!

O segundo telefonema foi para a Expedia e estava relacionado com a minha viagem para ir a Portugal no Verão. Uns dias antes tinha recebido um email a informar que o meu voo de regresso aos USA tinha sido antecipado um dia - uma chatice, pensei eu, menos um dia em Portugal, mas lá me conformei. O problema é que só mudaram o primeiro voo, pelo que tinhamos que ficar um dia inteiro em Toronto, à espera do segundo voo para Chicago. Até podiamos aproveitar e visitar a cidade, mas acontece que umas semanas mais tarde temos programada uma escapadela a Toronto a aproveitar uma ida do Rui a uma conferência, pelo que ficar lá um dia, no final das férias, quando o que mais queremos é chegar a casa, não me pareceu minimamente interessante. Resolvi então que o melhor era tentar antecipar também o segundo voo e vai daí que liguei para a Expedia. Sou recebida, claro, com uma mensagem gravada a informar que o tempo de espera para ser atendida era superior a uma hora, mas que eu podia optar por desligar que eles me ligavam de volta quando chegasse a minha vez de ser atendida. Lá escolhi essa opção, com relutância, a achar que bem podia esperar sentada pelo telefonema deles. Eis senão quando, passado pouco mais de uma hora, me liga uma senhora, super simpática, prestável e eficiente, que me mudou o voo sem qualquer problema.

Nada disto é extraordinário, afinal de contas, aquelas pessoas apenas fizeram o que lhes competia, de forma profissional, mas as minhas expectativas eram tão baixas, que achei que só forças sobrenaturais poderiam ser responsáveis por tais feitos. Mas se calhar não foi sorte, e estas companhias já perceberam que neste novo mundo dominado pelas compras on line, extremamente competitivo, o serviço telefónico ao cliente tem que estar à altura, sob pena de matarem a galinha dos ovos de ouro.

terça-feira, 17 de abril de 2018

Amigos

No fim de semana passado, festejámos em grande os 50 + 1 da minha amiga Sara, que tenho o privilégio de conhecer desde os primeiros tempos em Urbana. Conhecemo-nos na High School, onde os nossos filhos eram colegas, e rapidamente nos tornámos amigas, e aos poucos inseparáveis. É com ela que faço as minhas "noitadas" de Sexta-feira, é a ela que mando uma mensagem quando a meio do fim de semana me apetece sair e ir tomar um café. É com ela que partilho as coisas boas e também as menos boas. Sei o que ela gosta, e como vai reagir nas mais diversas situações. Acho que uma das razões pelas quais nasceu entre nós uma enorme cumplicidada é o facto de as nossas vidas, apesar de só se terem cruzado muito recentemente, apresentarem uma série de paralelismos engraçados. 

Há quem ache que os grandes amigos são aqueles que fazemos quando somos mais novos, porque nos acompanham desde sempre e estiveram presentes em todas as diferentes fases da nossa vida; há ainda quem ache que se temos a sorte de ter bons amigos, não há necessidade, nem espaço, para novos. Eu não acho nada disso. Adoro os meus amigos de sempre e sou uma sortuda porque tenho muitos. Mas há sempre espaço para novos, que têm o condão de nos ajudar a descobrir um bocadinho mais de mundo, e isso é tão bom. Certamente que o facto de, ao longo da minha vida adulta, ter vivido em vários locais diferentes, fez com que não me "acomodasse", mas tenho a certeza que não é preciso atravessar o Atlântico para fazer novos amigos! Basta olhar com atenção à nossa volta, baixar a guarda e deixar as pessoas entrar. Obviamente que nem todas se vão tornar nossas amigas, mas se tivermos sorte vamos encontrando ao longo da vida algumas que vieram para ficar e ficaram mesmo.
 

Sara, 14 de Abril de 2018

 
Aqui com o seu mais  que tudo, Victor, o nosso guru cinematográfico, 
que é das pessoas mais genuinamente boas 
e interessantes que conheço.

domingo, 15 de abril de 2018

Psicanálise barata

Me: "I need some help around here!"

Also me: "No, no ... not like that. Here, let me ..."



Frases roubadas de um qualquer Instagram, que quando li pensei logo "yap, that's me". Mas depois pensando melhor, concluí que, na verdade, essa não sou eu. Eu não peço ajuda, porque (ahahah) ninguém faz as coisas (tão bem) como eu. Sim, isto é o que eu efectivamente penso. Seja fazer a cama, arrumar a cozinha, dobrar a roupa acabada de secar, ou qualquer outra tarefa do género, ninguém faz como eu, e o meu eu (ligeiramente) obsessivo não sabe lidar com isso. E pensa que mais vale fazer já, do que depois vir por trás e ter que refazer o que alguém fez mal. Como se estivessemos a falar de tarefas altamente qualificadas que só um ser treinado ao mais alto nível conseguisse fazer. E o pior de tudo é que apesar de ter lucidez suficiente para esta auto-crítica, depois nunca dou o passo seguinte de passar das palavras à acção. Talvez um dia ...

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Gerações




Terça-feira passada. O Rui com o Ivan e o Dan. Ivan foi o seu primeiro estudante de doutoramento. Hoje é Professor na Universidade de S. Paulo. O Dan é o seu mais recente doutorado. Defendeu a tese na semana passada e decidiu não prosseguir a vida académica. Vai para Londres, trabalhar no mercado financeiro. Duas opções de vida muito diferentes. Não tenho dúvidas que no mercado financeiro se faz mais dinheiro, muito mais dinheiro, se se for minimamente bem sucedido, mas a vida académica dá-te uma liberdade e uma independência que dificilmente se encontra em outras profissões, e isso vale muito. Vão por mim que vivo rodeada de académicos há mais de 2 décadas.