quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Natal 2015

A Ceia de Natal foi em Lisboa com os Loja Fernandes. Não faltou o tradicional bacalhau com batatas e couves, e os doces de Natal - sonhos, filhoses e bolo rei. Mas o que chegou, viu e venceu foi o bolo de chocolate da Mafalda, que estava delicioso! Houve muitas prendas, conversas e brincadeiras. Foi uma boa Noite de Natal!






O Dia de Natal foi em Coimbra com os Pratas Jorge. Perna de perú recheada e mais doces de Natal, e bolo de bolacha e mousse de chocolate. Foram precisos vários dias e muita força de vontade para acabar com todos os restos! Mais prendas e muitas surpresas, entre elas um mega trampolim para os meus sobrinhos ginastas!






sábado, 26 de dezembro de 2015

Lisboa

Lisboa é linda. A luz, o rio, as pontes, os miradouros, a calçada, as ruas estreitas que serpenteiam as colinas, a zona ribeirinha, o casario dos bairros típicos. Mas Lisboa está feia. O trânsito é caótico, o ar poluído, os passeios estão sujos ou ocupados com carros.

Durante meses, leio artigos de jornais e revistas, em blogues e nas redes sociais, que falam de listas e rankings que a põem na lista das mais bonitas, charmosas e atractivas. Ouço falar dos restaurantes, lojas e mercados espectaculares que vão abrindo e que fazem as delícias de todos. Dos espectáculos e festivais que enchem o Verão. Parece a cidade mais interessante, moderna e cosmopolita da Europa. 

Depois, chego cá, e o que vejo é uma cidade invadida por carros, que a entopem e poluem. Passeios cheios de piriscas e montes de lixo à volta dos contentores. Construções degradadas e entaipadas, outras novas, mas que a descaracterizam. Muitos pedintes e arrumadores de carros, e vendedores ambulantes de chinesices, que nos interrompem o passo e os pensamentos, num contacto que não pedimos e que não desejamos.

No meu primeiro dia em Lisboa, fui passear ao Chiado. As ruas estavam cheias de gente, iluminadas, a cheirar a castanhas assadas. Desci a Rua Garrett até às Galerias do Chiado, a aproveitar ao máximo cada passada. Montras natalícias, gente gira, muitos turistas. Mas mesmo ali, no coração da cidade, há carros demais a circular, numa competição desenfreada com os peões pelo domínio das ruas e vielas. No regresso a casa, subimos a Avenida da Liberdade de carro. Pouco mais de um kilómetro, que demorou mais de meia-hora, num pára-arranca que me deixou enjoada e irritada. E o cenário repete-se, onde quer que se vá. 


Dois dias depois, na véspera de Natal, comprei o Expresso e o primeiro artigo que li foi a habitual crónica da Clara Ferreira Alves na revista. Sobre Lisboa. E confesso que me revi na descrição crua e revoltada que faz da cidade e do gigantesco, e aparentemente insolúvel, problema de trânsito, que a vai consumindo e dominando. Infelizmente, ao contrário de muitos (a acreditar nos relatos cor-de-rosa que leio por aí), eu não consigo gozar tudo o que   esta cidade tem para oferecer, se para lá chegar tiver que perder horas em filas de trânsito, a cheirar gasolina queimada.

Lisboa é linda, mas está feia. Ainda assim, é sempre bom voltar!

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Wish list # 3

Também na minha lista de prendas está este bule, lindo, da Anna Westerlund. Não é para usar, que não sou pessoa de beber chá. É mesmo como peça decorativa. Acho que bem acondicionado, sobrevive a uma viagem transatlântica! As jarras e as taças também são lindas. É só mais uma ideia... 



(http://annawesterlund.com)

domingo, 20 de dezembro de 2015

Já cheguei

A minha sogra costumava contar que, quando os filhos eram adolescentes, e saiam à noite com os amigos, ela não conseguia dormir enquanto eles não estivessem de volta a casa.  Ia para a cama, mas ficava acordada, de certeza a pensar nas mil e uma coisas que podiam correr mal. Eu, agora mãe de um adolescente, confesso que quando ele sai à noite, eu faço a minha vidinha normal, o que inclui ir para a cama quando tenho sono e dormir. 

Mas depois, quando acordava a meio da noite, pensava logo se ele já teria chegado a casa. Ou se lhe teria acontecido alguma coisa. E ficava a matutar naquilo até que me levantava e ía espreitar, para ter a certeza que ele estava de volta à sua caminha. Até que combinámos que quando ele chega a casa me manda uma mensagem, que normalmente não me acorda, mas fica à minha espera, na mesa de cabeceira. Não custa nada. Basta um "já cheguei", para que, no momento certo, eu tranquilamente me vire para o outro lado!


E, entretanto, falta muito pouco para que o "já cheguei" tenho todo um outro significado. Já estamos no aeroporto internacional de Chicago. Aqui vamos nós outra vez. Até já!

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Wish list # 2

Não é por falta de ideias ou de desejos que ainda não voltei à minha wish list para este Natal/Aniversário. É mesmo falta de tempo... Como aqui contei, no topo da minha lista, está uma nova máquina fotográfica. Tirar fotos com o telefone é super prático e conveniente mas a qualidade ainda deixa muito a desejar. Logo a seguir, e porque adoro carteiras e nunca é demais ter mais uma, vem esta que é linda, linda:



Cuyana Cinch Bag


Também há em preta. São da Cuyana (http://www.cuyana.com/cinch-shoulder-bag-black.html). Custam só $250.00!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Estudar ao som dos Beatles!

Tem sido uma constante nesta casa, desde que o Miguel começou a estudar Física com o seu amigo Carl! Desde o ano passado que fazem grandes maratonas de estudo, normalmente ao Domingo à tarde, ora aqui em casa, ora em casa do Carl, e às vezes no Café Benne. Quase sempre ao som dos Beatles! Uma descoberta para o Miguel e uma re-descoberta para mim, que há muito não ouvia Let it Be, Hey Jude, Hello, Goodbye e tantos outros clássicos. E se primeiro era só quando estudava Física com o Carl, agora é constantemente. As músicas ficaram-lhe no ouvido e agora é vê-lo a cantar pela casa quando menos se espera. Definitivamente, podia dar-lhe para pior, muito pior! 






segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Sinal de casa cheia




Hábito estranho este de nos descalçarmos à entrada, quer seja da nossa casa, quer seja das casas que visitamos, especialmente neste último caso. Primeiro estranha-se e depois entranha-se. Primeiro sentimo-nos desconfortáveis, "despidos". Com o passar do tempo, começa a fazer parte da rotina e já nem notamos. E a verdade é que é muito mais higiénico.

No Sábado passado tivemos jantarada cá em casa, com os amigos do costume. Uma espécie de jantar antecipado de Natal. Multicultural para agradar a todos. Houve bacalhau com batatas, e guacamole, e uma espécie de paelha vegetariana, e doces tradicionais suecos e brigadeiros. Muita conversa, boa música e no fim um "Bom Natal e Feliz Ano Novo" que provavelmente só nos voltamos a encontrar em 2016 (ou, se calhar, não que ainda falta uma semana...).

(A foto é de má qualidade, e eu fiquei escondida, mas é o que há!)

domingo, 6 de dezembro de 2015

O complexo mundo das candidaturas à Universidade

Nos últimos tempos, a Mafalda e o Miguel têm passado muito tempo à volta das suas candidaturas à Universidade. Ao contrário do que acontece em Portugal, aqui nos Estados Unidos não há uma candidatura única e centralizada. Os alunos escolhem as Universidades a que se querem candidatar e têm que preparar, apresentar e pagar as candidaturas individualmente. É normal enviar entre 5 a 10 candidaturas, mas há quem envie 15 ou 20 (ou mais). É tudo feito online, claro, o que facilita enormemente o processo, mas ainda assim dá muito trabalho. Para cada Universidade há que preencher os vários formulários com todo o tipo de informação sobre o aluno, mas o que dá mesmo trabalho são os personal statements que quase todas pedem e que são específicos para cada uma. 

Nas melhores universidades, aquelas que todos ao anos recebem milhares de candidaturas, o personal statement é especialmente importante. É uma das coisas que separa o trigo do joio. Todas elas fazem uma triagem inicial, essencialmente, com base nas notas da escola secundária e do exame nacional. Quem consegue passar esta primeira fase (e são muitos os que conseguem, porque estamos num país com mais de 300 milhões de habitantes e que, para além disso, recebe milhares de candidaturas de todos os cantos do mundo), é depois sujeito a uma avaliação holistica, que leva em consideração tudo aquilo que os números não conseguem escrutinar: personal statementcartas de recomendação, prémios e menções honrosas, actividades extra-curriculares, voluntariado, e por aí fora. 

Felizmente os prazos de entrega das candidaturas variam de Universidade para Universidade, normalmente entre Novembro e Janeiro, o que permite apresentar várias sem perder a sanidade mental, mas há sempre momentos de stress, que deixam as famílias há beira de um ataque de nervos! O Miguel já entregou 3, e planeia entregar mais 3 ou 4. Felizmente é organizado, o que lhe permite gerir as coisas com níveis controlados de stress.  Até agora nunca deixou nenhuma para o último dia! A Mafalda é o oposto. Também já enviou 3 ou 4, de um conjunto cujo número total ignoro. Todas no último dia. É uma perfeccionista que acha sempre que o que escreveu pode ser melhorado. Eu estou sempre à espera que aconteça alguma coisa que a impeça de enviar as coisas dentro do prazo. Ela confia sempre que a tecnologia não vai falhar nos momentos cruciais!

E depois de carregar no "Submit" é esperar. No caso do Miguel, só lá para Fevereiro ou Março se sabem os resultados. E depois, tem até ao dia 1 de Maio para comunicar às Universidades que o admitiram, se aceita ou não a oferta. Este é o único prazo único em todo este processo. Nenhuma universidade pode exigir aos alunos que tomem uma decisão antes do dia 1 de Maio. Para que a escolha seja o menos condicionada possível. No caso da Mafalda, ainda não percebi bem qual é a cronologia, pois a selecção para os programas de Doutoramento é menos standardizada. Neste momento, só quero mesmo é que despachem as candidaturas. Depois, logo se vê.


segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Fim de semana prolongado

Este fim de semana prolongado do Thanksgiving soube mesmo bem. Muito caseiro, mas com alguns programas fora. Muitos momentos em família e alguns com amigos, incluindo o jantar de Quinta-feira que foi em casa de amigos e o de Sábado em que tivemos amigos em nossa casa. Compras em dose moderada, pois não dá para ignorar completamente a Black FridayForam 4 dias (quase) perfeitos. 

Ainda me lembro bem de, há uns anos atrás, quando os miúdos eram mais pequenos, os fins de semana serem tão cansativos, que a partir do meio da tarde de Domingo eu já só desejava que Segunda-feira de manhã chegasse rápido para eles irem para a escola e eu poder ir trabalhar descansadamente! Pois esses dias já lá vão e agora, que estou naquela fase, digamos que, mais madura, em que já começo a antecipar o dia em que eles vão sair de casa, os fins-de-semana são muito mais doces. Principalmente, quando chove e faz frio lá fora e cá dentro está quente e acolhedor.  E eles andam por aqui, ora no quarto, ora no sofá, ora na cozinha à volta do frigorífico. 
Este longo fim de semana que passou teve tudo isto! 


Estou definitivamente a começar a sofrer (por antecipação) do "síndrome do ninho vazio", pelo que neste momento me dá um prazer muito especial tê-los ao alcance de um olhar. E não, não estou exagerar. Este fim de semana prolongado foi para os meus filhos mais velhos tempo de trabalhar nas suas candidaturas - ela à Graduate School, ele à Universidade. E ambos sonham alto pelo que, muito provavelmente, daqui a pouco mais de 9 meses estarão ambos de malas feitas, desejosos de iniciar mais uma fase das suas vidas. E eu, num misto de orgulho e tristeza, serei sempre a primeira a desejar que voem alto, mesmo que isso signifique que voem para longe. 

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

My kind of movie

Não podiamos ter começado melhor este fim-de-semana prolongado do Thanksgiving. Ontem à noite fomos ver Spotlight e adorei. Conta a história, baseada em factos reais, da investigação levada a cabo em 2001 por uma equipa de jornalistas do Boston Globe que  desmascarou o escândalo de pedofilia na Diocese de Boston da Igreja Católica. Um abuso que se arrastou durante décadas, involveu muitos padres e ainda mais crianças, com o conhecimento e silenciamento da cúpula local da igreja católica, incluindo o Cardeal de Boston. Gostei de tudo neste filme! A história, o elenco, o ritmo. Várias vezes ao longo do filme pensei "Ainda bem que aqui estou. Gosto mesmo disto"!


Primary_spotlight

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Só mais este

E prometo que não falo mais da brilhante época futebolista do meu filho. 

Mas para aqueles que pensaram ao ler isto que eu estava a exagerar, que só podia ser coisa de mãe babada, que acha sempre que o seu filho é o melhor do mundo. Que o puto se calhar até dá uns toques, mas com certeza que não é nenhum Cristiano Ronaldo, só tenho a dizer que na terça-feira, durante o jantar de encerramento do futebol, o meu craque ganhou: 


Prémio: Top Defensive Player (ex aequo com Joe Wilson)

MVP - Most Valuable Player







Foi muito bom e acabou bem. Fez amigos para a vida (espero). Mais não se pode pedir!

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Escolhas

No Sábado, ela foi ao cinema com as amigas ver o filme Suffragette. Saíram de lá silenciosas e surpreendidas. Afinal foi uma luta violenta. Afinal foi preciso que muitas fizessem sacrifícios enormes. E não foi assim há tanto tempo. E há países no mundo onde ainda está a acontecer. No final do filme, passou uma lista de países com as datas em que as mulheres conquistaram o direito de votar. O último era, claro, a Arábia Saudita onde, em pleno ano de 2015, as mulheres ainda não o conseguiram. 


(Erin, Zoe, Matilde e Anna)

No Domingo, ele foi ao cinema com os amigos ver o último filme do 007, Spectre. Saíram de lá ruidosos e animados. Não foi mau, disseram, apesar de não chegar aos calcanhares de Skyfall. Depois vieram para nossa casa, festejar os 17 anos do Miguel!


(Victor, Hugo, Miguel, Bernie, Magnus, Joe, Mohamed, Dmisio e Noah)

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

W.U.N.A.

West Urbana Neighborhood Association

Sabia da existência desta associação de moradores mas só recentemente aderi. Ainda estou para decidir se fiz bem ou mal ... A principal ferramenta da Associação é um e-mail de grupo, que serve para manter os moradores informados em relação ao que se passa qui no bairro, mas que acaba por ser o repositório de todo o tipo de informações, pedidos, comentários, desabafos, discussões, criticas. Conclusão, tenho e-mails a pingar na minha "caixa de entrada" constantemente.

Muita da informação é útil. Se alguém precisa do contacto de um canalizador, de uma costureira ou de um jardineiro, manda um e-mail e, em menos de um fósforo, tem um número muito considerável de nomes e contactos, com descrições pormenorizadas das razões pela qual tal prestador de serviços merece ou não a nossa confiança. Se alguém encontrou umas chaves na rua, lança o alerta e, regra geral, rapidamente as entrega ao dono. No outro dia, alguém se queixou de que roubaram a bicicleta à filha e não é que, dezenas de e-mails depois, encontraram o raio da bicicleta?


Mas para além disto, é impressionante o número de conversas infinitas sobre os mais variados temas, normalmente relacionados com a cidade ou o bairro. E há sempre, sempre, gente que tem tempo e paciência para discorrer profusamente sobre tudo e mais alguma cosa. Se for preciso mais do que uma vez ao longo do dia.

Só para terem uma ideia, recentemente, discutiu-se de forma minuciosa o que fazer ao cocó dos cães - devem os donos apanhar o dito e levá-lo para casa em saquinhos de plástico, será aceitável dispôr do dito nos caixotes do lixo que existem na via pública, ou deve a cidade instalar caixotes do lixo especiais para o efeito? Noutro dia, discutiu-se acaloradamente o que fazer em relação a um indivíduo que foi visto a bater a várias portas, em diversas horas do dia, e que alegava sempre que precisava de ajuda porque tinha deixado as chaves dentro do carro e não tinha forma de o abrir. É claro que ao fim do dia já toda a gente tinha uma descrição pormenorizada do indivíduo, e a verdade é que rapidamente deixou de ser visto nas redondezas.

É, sem dúvida, uma ferramenta útil, apesar de às vezes não ter muita paciência para tanta conversa. Mas é um daqueles problemas fáceis de resolver! Acho que fiz bem!



WUNA, O, WUNA
By Jeff Unger

What’s that noise, what’s that smell?
Let’s ask WUNA, I can’t tell.
Feral cats? City rats? Police training? (Rat-a-tat.)
Traffic circles, bike lanes, poop,
WUNA’s always got the scoop ...
Want a mattress? Need an herb?
They’re on the street, friend, at the curb.
Help! Someone’s snatched my front-porch pumpkin,
Please don’t accuse a country bumpkin.
We know not to cast aspersions –
Racial, ethnic, gender versions.
All are equal, free to post,
On any topic, coast to coast.
“Hey, I need a good proctologist,”
(Seamstress, painter, or geologist).
The questions come from near and far
(“Where might I find some Arctic char?”)
Few topics ever seem verboten:
There’s Carle and Wise and concealed totin’;
Taxes, Prussing, Steve Salaita,
On-list, off-list, day and nighta.
Discussions come, discussions go
Sometimes come back – AGAIN? – oh, no.
But in the end, despite its quirks,
We love our WUNA and its perks.


segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Sweet November

Sweet November, o tanas! 

O frio chegou em força. É fechar janelas e ligar o aquecimento que durante a noite as temperaturas já andam muito próximo de valores negativos. Mudou a hora, o que significa que às 5 da tarde quando saio do trabalho já está quase de noite. As cores bonitas do Outono estão todas espalhadas pelo chão, deixando as árvores nuas, a adivinhar o que aí vem ... Não fora o meu filhote fazer anos (17 !!!!) e haver o Thanksgiving, que é sempre um bom motivo para uma jantarada com amigos (já que não há família por perto) e o mês de Novembro podia muito bem estar a disputar o lugar de pior mês do ano! Assim, acho que empata com Fevereiro, cuja única coisa boa é o facto de ser mais pequeno ...





quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Wish list

Estamos a chegar aquela altura do ano em que, a pouco e pouco, tudo começa a cheirar a Natal, apesar de por estas bandas ainda haver o Thanksgiving. O que me despertou para o tema foi um e-mail que recebi há uns dias atrás de uma das minhas cunhadas a perguntar como é que vai ser o Natal este ano. Todos os anos temos que acertar agulhas - umas vezes é a Noite de Natal em casa dos pais e o Dia de Natal em casa do sogro/cunhados. Outras vezes é ao contrário. O ideal seria alternar, para não termos que "discutir" o assunto ano após ano, mas a verdade é que vida é sempre mais complicada do que os planos teóricos e, por isso, nem sempre dá jeito alternar. 

Durante muitos anos, com os pais e os sogros a viver na mesma cidade, era fácil. Tudo acontecia, sem dramas, entre a Bencanta e os Combatentes. Mais tarde, com a ida dos pais do Rui para Lisboa, a coisa complicou-se um bocadinho. A tradição manteve-se - a noite com uns e o dia com os outros - mas as rotinas alteraram-se e lá nos habituámos a levantar cedo no dia de Natal para nos fazermos à auto-estrada. Agora que estamos do outro lado do Atlântico, tudo requer ainda mais (e melhor) planeamento, pois que o tempo se tornou num bem muito precioso. Mais uma vez, a tradição mantém-se, mas a verdade é que todos os dias (e noites) das 2 semanas de férias contam, mas já sei que por mais malabarismos que façamos, no fim, vai sempre saber a pouco. 


Claro que o assunto "Natal" trouxe, naturalmente, por arrasto o assunto "prendas". Felizmente que, neste campo, a minha lista está cada vez mais pequena. Isto de ter sobrinhos (e filhos) cada vez mais crescidos, que querem mesmo é dinheiro para depois comprarem o que quiserem, aliado ao facto de termos um espaço muito limitado dentro das nossas malas de viagem para transportar prendas, retirou bastante pressão dos meus ombros. 

Ter listas de prendas para dar aos outros mais pequenas, faz com que sobre algum tempo para pensar na minha própria lista de prendas. E como este ano, logo a seguir ao Natal, vem o meu big 50, há que aproveitar o momento. No topo da minha wish list está uma boa máquina fotográfica. Uma que seja relativamente pequena, leve, com uma boa definição e um bom zoom, que isto de só tirar fotografias com o telemóvel está a tornar-se muito redutor. Na verdade o que eu queria mesmo era um telemóvel com uma boa máquina fotográfica incorporada, mas acho que o actual estádio de desenvolvimento tecnológico ainda não permite ter um 2 em 1 que me satisfaça plenamente. 

Ao escrever estas linhas, lembrei-me da minha primeira máquina
 fotográfica. Uma Pentax comprada em Andorra, nos anos 80, numas férias de verão em que fomos de carro até França. Na volta, viemos por Andorra (que original!) naquela que foi, até agora, a minha única passagem por este Principado, então um verdadeiro paraíso comercial. Não faço a mínima ideia onde está esta minha primeira máquina. Às vezes tenho pena de me desfazer das coisas com tanta facilidade. Mas a verdade é que detesto  acumular tralha. Não é que tenha uma existência minimalista, tipo "viver melhor com menos", nada disso. Gosto muito de comprar coisas, mas não acumulo. Regra geral, se vem novo, sai velho, numa saudável rotatividade. Mas, de vez em quando, lá me lembro de uma qualquer velharia que desejava não ter "reciclado"...



domingo, 25 de outubro de 2015

It was a hell of a ride!

Ontem o Miguel jogou o seu último jogo de futebol na Urbana High School. Perderam o jogo e, por isso, não avançaram para a fase seguinte. Foi um jogo muito disputado, muito emotivo, contra uma equipa rival de longa data. Jogaram muito bem, foram de longe os melhores em campo, mas infelizmente não conseguiram ganhar o jogo, que acabou por ser decidido nos penalties. O Miguel jogou muito bem e foi mais uma vez um dos pilares da equipa. Aquele jogador do meio campo por onde quase todas as jogadas passam, que defende quando a equipa defende e ataca quando a equipa ataca.

Correu muito, disputou todas as bolas, caiu muitas vezes, saiu uma vez do campo a coxear, com caimbras, mas voltou logo de seguida, foi um dos marcadores dos penalties. Esteve bem, mas infelizmente 2 dos seus colegas falharam. Quando, no final do jogo, o vi a sair do campo triste, exausto e com os olhos marejados de lágrimas, senti um aperto no coração e, ao mesmo tempo, um orgulho imenso. De facto não há nada como o desporto para te fazer sentir parte de algo maior! 

Vê-lo jogar futebol este ano foi um prazer enorme. Foi titular em todos os jogos, um dos capitães da equipa. Arrisco dizer que fazer parte desta equipa durante 3 anos, o fez crescer, física e mentalmente, como nunca antes. Foi nesta equipa que fez os seus primeiros amigos em Urbana, com quem compartilhou muitas horas de treino, muitas viagens de autocarro, muitos "gritos de guerra", muitos momentos de alegria, de tristeza, de tensão, de desilusão, de disparate. Ontem perderam, e por momentos isso pareceu ser a coisa mais importante do mundo. Mas hoje, depois de uma boa noite de sono, mas ainda a sentir os efeitos da ressaca, olho para trás e só vejo vitórias!

Agora é descansar, deixar passar o Inverno e aguardar pela chegada da Primavera e pela temporada de Ténis. GO TIGERS!!!




sábado, 17 de outubro de 2015

Sexta-feira é dia de jantar fora

Ontem tivemos uma jantarada com amigos. Na verdade, cá de casa fui só eu e o Miguel, que o Rui está em Memphis até amanhã, a Mafalda não quis ir a a Matilde foi jantar a casa de uma amiga. Sem grandes combinações, mas porque à Sexta-feira dá mesmo vontade de sair para jantar com amigos, acabou por se juntar um grupo engraçado  - portugueses, catalães, brasileiros, suecos e americanos. Uma grande caldeirada. Nestes momentos, mais cedo ou mais tarde, acabamos (quase) sempre a falar da nossa vida por estas bandas. O que nos trouxe até cá e principalmente o que nos faz por cá ficar. 

Um dos casais, ela sueca e ele americano, estão cá há 16 anos. Vieram por 2 anos e ainda cá estão. Os nossos amigos catalães vieram por 4 meses e já vão a caminho do quarto ano. O brasileiro veio no Verão com os 2 filhos adolescentes, por 1 ano como professor convidado, e já está a ver se consegue prolongar a estadia, pois os filhos estão a gostar bastante de cá viver. A verdade é que é muito fácil viver em Urbana-Champaign. Não é certamente o sítio mais interessante do mundo, mas vive-se bem no dia-a-dia. 

O custo de vida é baixo, comparado com outros sítios nos USA. As escolas são boas. A Universidade é enorme, o que proporciona aos que lá trabalham (quase todos os que conhecemos...) boas oportunidades de realização profissional. Não há trânsito, nem poluição. Há muito espaço, muitas árvores e muitos jardins. É verdade que falta vida cultural, vida nocturna, sente-se falta do cosmopolitanismo a que estávamos habituados, o que muitas vezes nos leva a perguntar porque raio nos viemos enfiar neste buraco, mas a verdade é que no dia-a-dia acabamos por valorizar mais o facto de não haver trânsito, do que o facto de não haver bares abertos até às 4 da manhã! Será da idade? 

sábado, 10 de outubro de 2015

No rescaldo das eleições

Nao votei nas eleições do Domingo passado, que ainda fazem ferver o país ... Digamos que o processo de voto dos emigrantes não é user friendly. No meu caso, teria que ir pessoalmente ao Consulado Português mais próximo - na costa Leste - proceder ao recenseamento eleitoral, o que (ainda) não fiz.

Mas acompanhei minimamente a campanha e a noite eleitoral. Com espanto e estupefacção. Como é possível? Na verdade, nem sei bem porque me espantei, afinal de contas somos o país que elegeu 2 vezes o Cavaco para Presidente, isto depois de a criatura ter sido Primeir0-Ministro durante 8 anos. Mas enfim ... É o sistema democrático a funcionar e a culpa é de quem deveria ter feito mais, ou melhor, ou diferente, e não fez. 

Passando à frente, que o propósito deste post não era dar para baixo, mas sim salientar um facto que acho muito positivo na realidade portuguesa (em comparação por exemplo com a realidade americana) e que, mais uma vez, se confirmou, e reforçou, nestas eleições. A existência na Assembleia da República de vários partidos mais pequenos, que não estando (a maior parte das vezes) no "arco da governação",  têm um papel fundamental de controlo e vigilância dos governantes. Vezes sem conta, são os partidos "pequenos", no hemiciclo ou nas comissões, que falam das coisas, que fazem perguntas, que não deixam escapar os assuntos mais controversos, aqueles que, por esta ou aquela razão, os partidos do centrão preferiam que caíssem no esquecimento.

Por isto, para mim, desde há algum tempo a esta parte que o verdadeiro "voto útil" não é o voto ao centro, que umas vezes faz tombar a coisa para o lado do PS, outras para o lado do PSD, mas sim o voto que nos permite continuar a ter diversidade ideológica no Parlamento. Eu agradeço que lá estejam, mesmo aqueles com quem não me identifico minimamente e que, muitas vezes, dizem coisas que me deixam com os cabelos em pé! 

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

A idade de ouro

Num dos últimos fins de semana, veio jantar connosco o casal em casa de quem vivemos o nosso primeiro ano em Urbana. Não são nossos amigos do peito, mas são pessoas com quem gostamos de estar ocasionalmente. A conversa é sempre interessante, quer se fale de política, do mundo académico, dos filhos, de comida, de viagens ou do vizinho do lado! E desta vez não foi excepção. Parte da conversa girou em torno da grande mudança que, em breve, a sua vida vai sofrer, já que decidiram que se vão reformar, ele já no final do ano civil, ela no final do ano lectivo.

E decidiram reformar-se por várias razões. Primeiro por uma razão muito prática, já que mudanças anunciadas no sistema de reforma no Estado do Illinois tornam mais vantajoso para eles fazê-lo agora do que daqui a 2 ou 3 anos. Depois porque já lá vão 30 anos desde que começaram a trabalhar, sempre aqui na University of Illinois, o que naturalmente gera um certo cansaço. Porque têm vontade de fazer outras coisas, sendo que são ambos suficientemente activos nas suas áreas para continuarem a trabalhar em novos projectos mesmo depois de oficialmente reformados. Porque os filhos cresceram, saíram de casa e vivem longe. O filho vive no New Mexico e a filha em New York

O seu plano é vender a casa de família e comprar duas mais pequenas. Uma em Rhode Island, perto do mar e da filha. Outra em Albuquerque, perto do filho e dos netos. No Inverno, quando o frio e a neve se abaterem sobre a Nordeste, rumarão a Sul em busca do Sol e de temperaturas mais amenas. E eu fiquei a pensar (mais uma vez) que é isto mesmo que eu quero. 

Reformar-me ainda capaz, fisica e mentalmente. Poder viajar regularmanente para visitar a família e os amigos, que, tenho a certeza, cada vez estarão mais dispersos. Ou simplesmente para fugir para o calor se estiver com frio e vice-versa (que às vezes o calor atrapalha-me mais do que o frio). Dizem que não vamos ter reformas para isto. Que vamos ter que trabalhar até mais tarde e que, quando finalmente nos reformarmos, será com muito menos dinheiro do que aquele que usufruimos agora em plena vida activa. Dizem tudo isto, mas eu não acredito. Felizmente, ainda tenho uns anitos pela frente para "cair na real", ou para arranjar um plano B.

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Se dúvidas houvesse ...

Quem me conhece sabe, e eu já aqui o disse mais do que uma vez, que sou "ligeiramente" paranóica com a arrumação e limpeza da casa, o que muitas vezes deixa a minha família (e, às vezes, até a mim própria, confesso) à beira de um ataque de nervos. E esta minha característica (qualidade ou defeito???) torna-se por demais evidente neste país, onde reina uma certa "descontracção" (to say the least) no que respeita à limpeza e arrumação da casa.

Por causa desta minha mania, a nossa casa nunca tem aquele ar descontraídamente desarrumado, prova de que aqui vivem pessoas de carne e osso. Não, tudo está sempre no seu lugar, basicamente porque eu ando sistematicamente atrás das pessoas de carne e osso que aqui moram, a arrumar o que elas lá vão desarrumando! Tenho consciência de que sou um bocadinho insuportável, mas é assim e até já os avisei várias vezes que estas merdas só pioram com a idade ...

Aqui há umas semanas atrás voluntariei-me para organizar 2 jantares da equipa de futebol do Miguel, um dos muitos eventos que acontecem todos os anos durante a época para promover a camaradagem entre os jogadores! Confesso que quando me voluntariei não me apercebi que não estava só a voluntariar o meu trabalho, mas também a minha casa! E quando me apercebi disso era tarde demais para recuar!

O primeiro desses jantares foi na Segunda-feira passada e, descontando os elevados índices de ruído, que devem ter deixado alguns transeuntos curiosos sobre o que se passava naquela casa, até correu muito bem. Vários pais forneceram a comida e as bebidas e eu forneci a casa e a logística. Eram para cima de 25 alminhas, entre jogadores, treinadores e managers, sendo que mais de 95% destes eram rapazes com idades compreendidas entre os 15 e os 17 anos! Foi das 7 até quase às 10 da noite (que no dia seguinte era dia de escola). E muito pouco tempo depois dos últimos saírem não havia qualquer vestígio da sua passagem cá por casa, descontando alguns restos de comida e algumas bebidas já guardados no frigorifico. E digo-vos uma coisa, só alguém com muita experiência em limpar e arrumar conseguiria esta proeza!





 

domingo, 13 de setembro de 2015

Fui promovida!!!

É verdade, meus amigos, desde o passado dia 8 de Setembro que sou Senior Award Negotiator

Há cerca de 2 meses atrás e na sequência da demissão de uma colega que se mudou com a família para a Califórnia, abriu uma vaga para a posição de "Senior" no meu Gabinete. Foi decidido que seria aberto um concurso exclusivamente interno, pelo que os possíveis candidatos seriam apenas os actuais Award Negotiators. Sinceramente, nem sequer me passou pela cabeça concorrer. Por um lado, porque ainda não me sinto nada "senior" neste lugar, e por outro lado porque tenho uma colega que era a candidata natural ao lugar, por ter mais anos de experiência, ser muito competente e por, na verdade, ter o perfil ideal para a posição em causa.

A minha supervisora ainda me tentou convencer de que deveria concorrer. Que não perdia nada por isso, que apesar de ser nova neste trabalho, tenho muita experiência, que nunca se sabe, e porque, porque, porque... Eu mantive-me na minha, e disse-lhe que não. Que era muito cedo e que a Missy (a minha referida colega) merecia o lugar. E assim arrumei o assunto. Pensava eu.  

Literalmente, 15 minutos antes da deadline, a directora entrou no meu gabinete e disse-me para eu concorrer. Que não perdia nada por isso, que apesar de ser nova neste trabalho, tenho muita experiência, que nunca se sabe, e porque (e esta era a novidade) possivelmente iriam conseguir promover não uma, mas duas pessoas. E lá concorri. Preenchi o formulário a correr, actualizei o meu CV e mandei tudo. Mais tarde, já depois das férias, fiz a entrevista e, na passada terça-feira comunicaram-me que tinha conseguido um dos lugares. A Missy conseguiu o outro. It was a good day!
 

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

We are the champions

Um torneio, dois dias, três jogos e ganharam a taça!







Estavam pouco confiantes. Sentiam a equipa desfalcada, sem as estrelas do ano passado, os seniors que terminaram o secundário em Maio passado e agora se estão a fazer à vida, na Universidade, Community Colleges ou noutro sítio qualquer. Começaram mornos, empataram o jogo de Sexta-feira, que teve que ser decidido em penalties. Tiveram sorte. Falharam menos. Já no Sábado, ganharam o primeiro jogo por 3-1 e o segundo por 7-2. Ao mesmo tempo, o seu mais directo rival perdia o seu último jogo por 2-0 no campo ao lado. Acabaram com um enorme sorriso nos lábios e mais confiança nas suas capacidades. Agora é descansar, que o próximo jogo é já amanhã. Isto mais parece o campeonato inglês!


sábado, 5 de setembro de 2015

Um mês que pareceu muito mais

Voltámos para Urbana há exactamente 1 mês, mas parece que foi há muito mais tempo. Tanta coisa aconteceu entretanto. Recomecei a trabalhar. Recomeçaram as aulas, o que me fez voltar à verdadeira rotina. Aquela que me obriga a levantar antes das 7 da manhã para preparar almoços e a sair a correr do trabalho para ir buscar a Matilde. Recomeçaram as actividades extra-curriculares, que transformam os meus fins de tarde num "leva-e-trás", que me fazem sentir uma verdadeira motorista de taxi. Começou a soccer season do Miguel, com treinos e jogos todos os dias (excepto ao Domingo), o que significa toneladas de roupa para lavar (quase) diariamente. Já cá estiveram 3 colegas/amigos do Rui (o terceiro ainda cá está), o que normalmente significa que temos mais uma pessoa ao jantar. 

E para tornar as coisas ainda mais difíceis de gerir, tem estado um calor insuportável, acima dos 30º todos os dias, o que me deixa num estado de cansaço permanente, a que muitas vezes se alia uma enorme má-disposição, que afecta tudo e todos ao meu redor, que há coisas que eu não guardo para mim própria. Estou mesmo farta do calor e do Verão. Sei que daqui a uns meses o vou desejar com todas as minhas forças, mas para já o que quero mesmo são temperaturas mais amenas, outonais. Que já pedem um casaquinho e deixam usar botas. E mantas, nos serões mais fresquinhos. 

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Verde código verde

Li há dias num qualquer jornal que o Multibanco fez 30 anos (e já agora que a Princesa Diana morreu há 18 ... irra, que isto passa mesmo a voar). Se é um facto que hoje tratamos o MB por tu e já não conseguimos imaginar a nossa vida sem ele, é bom relembrar que nem sempre foi assim, que isto de aceitar a mudança e o progresso nem sempre é coisa que se entranhe facilmente.

Uma das primeiras pessoas que vi usar o cartão foi o meu excelentíssimo marido (who else???), que ainda os anos 80 iam a meio e já ele o usava, sem quaisquer problemas ou receios. Lembro-me que a primeira vez que o vi a fazer um pagamento no Multibanco (uma conta da água, acho eu), ainda éramos namorados, foi numa caixa que havia no Campo Pequeno, em Lisboa. Observei-o com um misto de fascínio e desconfiança. Como era possível ele confiar que a conta ficava mesmo paga? Ele confiou logo e, aos poucos, mesmo os mais resistentes acabaram por o fazer também e hoje acho que só mesmo o meu pai é que lhe continua a resistir estoicamente!

E como acontece com muitas das coisas que usamos diariamente nas nossas rotinas, só quando elas faltam, ou falham, é que lhes damos o seu devido valor. Aqui nos USA, o sistema multibanco é bem mais pequeno e limitado do que o que temos em Portugal. Há muito menos caixas disponíveis, se não usamos as do nosso banco pagamos uma taxa e há algumas transacções que pura e simplesmente não é possível fazer, como por exemplo transferências bancárias. Um verdadeiro atraso de vida! Em contrapartida podemos levantar dinheiro no supermercado, se pagarmos as compras com cartão, sem taxas adicionais. Vá lá!

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Quem não tem cão caça com gato

Eu queria muito uma destas:



Mas (para já) tenho esta:



Comprada há 3 dias, no Ikea onde fui com 2 amigas e a Matilde. Uma road trip memorável, que 3 mulheres e uma pré-adolescente à solta nesta catedral do consumo não é coisa que se esqueça facilmente! Agora vou ver se a consigo aproveitar, que a concorrência é grande ...


 

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Residentes

Durante uns tempos, fomos uns "apátridas" em termos de residência. Não tinhamos residência nem cá, nem lá! Não residiamos em Portugal e não éramos considerados residentes nos Estados Unidos (porque o nosso visto era temporário). Sempre que era preciso preencher um qualquer formulário "oficial", lá tínhamos que discutir a eterna questão e raramente concordávamos. Eu achava sempre que era ridículo indicar como nossa residência a morada de Lisboa, onde aliás residem os nossos inquilinos. O Rui insistia que se não éramos residentes nos EUA, não podíamos indicar a nossa morada daqui.

Mas, finalmente, a situação resolveu-se. Após um longo e burocrático processo, ou não estivessemos a lidar com os Serviços de Emigração, somos finalmente residentes permanentes dos USA. Titulares do mítico green card. Mítico para quem, como eu, já tem idade suficiente para se lembrar da comédia romântica do início dos anos 90, Green Card (em português Passaporte para o Amor) com o Gérard Depardieu (com várias dezenas de kilos a menos) e a Andie MacDowell (na era pré-publicidade à L´Oréal, ou se quiser ser má-língua, na era pré plásticas). 

A esperança agora é que este cartãozinho nos facilite a vida, desde logo na fronteira, onde já não teremos que estar naquelas filas infindáveis destinadas aos "não americanos"/"não-residentes", e ser recebidos por um qualquer agente mal disposto, que nos olha de cima para baixo e nos tira, pela milésima vez, uma fotografia e as impressões digitais, e faz meia dúzia de perguntas "chapa cinco", a ver se nos apanha numa qualquer contradição suspeita. Enfim, se calhar estou a exagerar, mas enfrentar estas filas intermináveis e os agentes da imigração americana, depois de um voo de 7 ou 8 horas e desejosa de chegar a casa, sempre me deixou à beira de um ataque de nervos! 


domingo, 23 de agosto de 2015

Mesmo aqui ao lado

Temos este jardim lindo, onde dá mesmo vontade de passear ao fim do dia, quando ainda está sol, mas o calor já não aperta. Desta vez fomos de bicicleta.